quarta-feira, 11 de maio de 2016

A necessidade da procrastinação

por Matheus Campos

Até um tempo atrás eu acreditava que a procrastinação era um mal terrível do mundo contemporâneo. As distrações são muitas: redes sociais, netflix, crises de existencialismo... E lá se vão horas e horas de pura ociosidade. O pior é que sempre bate aquele peso na consciência de ter deixado o tempo passar sem fazer nada de útil. Há uma sensação de falha, de agonia e de medo: o de não conseguir mesmo sabendo que ainda é possível. Eu costumava pensar que o tempo – metafísico e infinito – era como um inimigo imaterial em minha vida. Ou melhor, o que eu faço dele.
Já não penso mais dessa forma. Quer dizer, ainda acredito que o vício em fazer as coisas sob pressão não é legal. O ato de postergar tarefas (“amanhã eu faço”, “outra hora eu continuo”) é muitas vezes inerente a certa inconstância e impaciência, das quais predominam em uma geração que quer tudo tão fácil e rápido. Na verdade, é até mais conflitante do que isso. O fato é que quase sempre tudo parece muito incerto. A gente acumula tantas informações sobre o mundo que nos permeia a ponto de já não sabermos o que é realmente sonho ou ganância, o que é necessário ou dependência, e nem quais são as expectativas dos outros ou nossas.
Escrevo esse texto pensando nos meus colegas do meio acadêmico e também profissional, muitos deles indecisos e sem muitas aspirações na vida como eu. Certo dia conversei com alguns deles sobre as dificuldades e inseguranças que temos. Tudo que consegui sentir foi pena: de mim, de nós e de todos que estão sempre tão preocupados em se preocuparem. Seja na faculdade, no trabalho ou em qualquer instância do cotidiano.
Em uma das minhas (várias) distrações, me deparei com uma frase de um autor desconhecido que dizia o seguinte: “A obrigação de produzir aliena a paixão de criar". Pois é. Eis uma verdade irrefutável. Não dá para ficar produzindo compulsivamente. “Tenha foco”, eles dizem. “Priorize o essencial”. O que é mesmo o essencial?  E se eu preferir trabalhar com a inspiração? Com meus instintos? E se eu achar fundamental tirar o dia para só comer e dormir o dia inteiro? Ou beber uma cerveja com meus amigos. Caminhar sem rumo. Ir ao cinema. Tanto faz.
Certa vez Chico Buarque foi entrevistado por Clarice Lispector para o extinto Jornal do Brasil, em meados de 1968. Quando ela perguntou sobre o seu modo de produzir, ele declarou: “Às vezes estou procurando criar alguma coisa e durmo pensando nisso, acordo pensando nisso – e nada. Em geral eu canso e desisto. No outro dia a coisa estoura e qualquer pessoa pensaria que era gratuita, nascida naquele momento. Mas essa explosão vem do trabalho anterior inconsciente e aparentemente negativo”. Nunca me senti tão representado. Aposto que não sou o único.
O que há de tão turbulento na minha instabilidade entre o controle e o não querer? O que é o fútil senão uma tentativa de sanar as dores da vida condenada à ordem?  Por que não o prazer fugaz ao invés das obrigações sistemáticas e contínuas? Será que há mesmo algo no tempo a se perder senão a nós mesmos já perdidos sem saber?!
O que eu sei é que um dia tudo será memória. E eu prefiro que a minha vá muito além das lembranças de uma rotina mecânica e desgastante.


     

domingo, 1 de maio de 2016

(Não) Sou

Não sou nada do que qualquer pessoa já tenha me qualificado, caracterizado ou pensado. 
Eu sou o tempo e a adaptação. 
Eu sou eu e às vezes sou um pouco dos outros. 
Eu sou a timidez, o erro, a insegurança.
Eu sou a amizade, o carinho, a paz e a inconstância. 
Eu sou amor. Sou infelicidade também.
Não sou uma interrogação nem uma afirmação. 
Não sou uma frase de impacto.
Sou um corpo. Sou alma.
Sou frieza. Sou paixão.
Sou calma. 
Sou tudo o que quero ser e nada do que pensei ser. 
Sou a indignação. Ou melhor, serei, sou e fui a indignação. 
Sou o medo do olhar do outro e abarcador dos meus sentidos. 
Do que sinto de mim e da proximidade - leve ou pesada. 
Sou o abandonar e o abandonado. 
Sou a surpresa - muitas vezes belas, outras ingratas. 

Esta é uma contribuição minha como ser humano ao redemoinho de pensamentos e sensações alheias.
Espero realmente que essa necessidade de ser não esteja só em mim. Que eu seja cada vez mais eu. 
Que nos próximos anos eu tenha gosto, também, de ser cada vez mais nós.
Que assim seja então: bem-vindos ao meu novo ciclo.